sexta-feira, 25 de abril de 2014

A CORDELARIA MONTEIRO HOMENAGEIA OS POETAS DA BESTA FUBANA


Nessa mania de fazer cordel, surgida há uns dois anos, já produzi algumas centenas de estrofes de toda ordem (quadras, sextilhas, setilhas, décimas, martelos) em comentários e pelejas virtuais no Jornal da Besta Fubana, onde assino coluna. 

Motivos os mais diversos podem resultar em pelejas animadas em que os poetas se digladiam por horas e até dias, pela WEB, resultando disso folhetos muito interessantes, alguns dos quais já publiquei aqui.

Parte deste, cuja capa encima esta matéria, vou trazer hoje para vocês, por um motivo especial: quero aqui fazer uma homenagem aos meus amigos poetas daquele Blog, sem os quais eu não teria entrado nessa vertente artístico/literária que é a poesia de cordel.

Como vocês vêem a capa não tem a ver com a homenagem que acabo de mencionar. E tem...
Pois foram os versos de uma animada peleja, começada para glosar um mote do Escritor e Editor do JBF, Luiz Berto, que me fizeram ser escolhido como um dos cinco colocados num concurso interno de glosas, o que nos divertiu bastante. O mote também se prestava a muita chacota: "Tua mãe morre e não acha/ outro macho que nem eu" !  A ilustração também é da minha autoria, pois meto-me a imitador de desenhista e assim vou matando a vontade de ser artista.

Através da minha fictícia (mas eficiente) Cordelaria Monteiro, que já editou 32 títulos e tem muitos outros na fila de edição, tenho registrado essas brincadeiras para distribui-las com amigos e admiradores da poesia de cordel.  Divirtam-se com o texto:

Apresentação:

AOS MEUS AMIGOS POETAS DO JBF

Faço aqui uma homenagem aos colegas de Jornal que sempre estão postando poemas, folhetos, comentários em verso, como também provocando, com seus ricos motes, diversas e boas pelejas entre a poetada que frequenta o Jornal da Besta Fubana, esta fronteira da boa poesia nordestina e brasileira.   Fred Monteiro


1.
Ismael, Filó, Dalinha
Jessier e Dom Capeta
Xico Bizerra é porreta
Itaerço anda na linha
Claude Bloc é a rainha
Do Crato tão festejado
Nesse blog consagrado
Que tem Gregório e Crisanto
E Alamir, lá no seu canto
Fazendo verso rimado

2.
Hélio, Jefferson, Nonato
Hardy Guedes e Aristeu
Tem gente que apareceu
E depois sumiu, no ato
Com medo que o carrapato
do poema de cordel
grudasse no seu chapéu
Pois eu não faço questão
Cutuco meu violão
E aí é sopa no mel

3.
Só uma coisa desafina
Nesse papo de poeta
é quando vira uma meta
é quando vira uma sina
brigar por coisa mofina
apelar pra grosseria
insistir na hipocrisia
de defender aloprado
falando papo furado
pra defender utopia

4.
Tem poeta que sumiu
por conta dessa pendenga
de toda essa lenga-lenga
que a política pariu
e a solução não viu
Pois eu digo com certeza
que as cartas estão na mesa
Pra quem quiser arengar
eu nunca mais vou entrar
nesse rio de correnteza

5.
E agora peço desculpa
se ofendi a alguém
intenção nunca se tem
não precisa sentir culpa
pois não há gênio que esculpa
a estátua da verdade
com mil faces sem maldade
e mais mil tão tenebrosas
Pois nem tudo são só rosas
Nesta nossa humanidade

FIM

********
*****
***
**
*



10 comentários:

  1. Muito bom Fred, gostei mesmo!
    Você faz falta, não deixe de escrever no Besta.
    A vida é uma peleja e você sabe pelejar.
    Meu abraço.

    ResponderExcluir
  2. Oi Dalinha. Muito obrigado pela visita, pelo comentário e pelo prestígio. Devo muito do que tenho feito a você e sempre digo isso. Mas como eu tinha dito, tenho que voltar-me mais para este Blog, em atenção aos meus seis leitores, hahaha

    ResponderExcluir
  3. Eu sou o oitavo, kk. Galileu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mestre Galileu, você não é apenas um leitor fiel. É também um Assessor Especial para Assuntos Ornitológicos do Blog. Já troquei frei-vicente por guriatã e gavião pega pinto por carcará, não sabia que picapau era aquele carijó, etc.. E você sempre me esclarecendo sobre os mistérios da passarada. Vou continuar errando, mas sei que você estará atento pra me ajudar. Muito obrigado!

      Excluir
  4. IRMÃ "Z"25 de abril de 2014 20:57

    Caro poeta Fred: você e a turma arretada do Besta me fizeram voltar aos ótimos tempos em que eu filava os Cordéis do Pátio de São Pedro. Sinto-me duplamente feliz ao ver que no meio dessa plêiade estão a Dorinha e a Claude.
    Em tempo, dos seus fieis leitores, sou a nona. KKK

    ResponderExcluir
  5. As mulheres estão em todas, minha cara Zulma. De A a Z, que é o seu caso, hehehe

    ResponderExcluir
  6. Muito bom, amigo !
    Sou jornalista, poeta, compositor e trovador, com várias rimas saltitando nos caminhos cruzados da Internet. Vou deixar aqu minha rima especial para esse Blog.

    Ao blogueiro de cordel
    Quero saudar neste verso
    Que entra neste espaço
    Sem nenhuma pretensão
    Mas com a clara intenção
    De habitar esse universo

    ResponderExcluir
  7. Muito obrigado, amigo Lino, pelo comentário e pela trova. Disponha deste espaço, ele também é seu.

    ResponderExcluir
  8. Buenas noite, meu caro Fred,

    Que bonita homenagem, meu caro poeta !

    Desculpe o atraso, pois por esses dias andei bastante ocupado.
    Mas como diz o ditado: "antes tarde do que nunca".

    Só mesmo um coração generoso como esse seu, para um gesto tão bacana como esse.
    Imagine só que até eu fui homenageado. Bota generosidade nisso!
    Como diz a gurizada por aqui: depois de uma homenagem dessas, fica até perigoso eu sai por aí se achando "o cara."

    Meu caro Fred Monteiro
    Grato pela deferência
    E pela benevolência
    Com que sempre sou tratado
    Além de muito educado
    És um poço de talento
    Que toca qualquer instrumento
    E ainda faz verso rimado.

    Tu sabes que sou teu fã
    Como artista e pessoa
    Não estou falando à-toa
    Somente pra fazer agrado
    Os que tem te acompanhado
    Entendem bem o que digo
    Por isso, meu grande amigo
    Mil vezes muito obrigado.

    Um abração, diretamente aqui da fronteira gaúcha..

    Alamir Longo

    ResponderExcluir
  9. Você sempre se destaca pelo que escreve Alamir. Eu, que o conheci através da Revista Veja eletrônica sei do que estou falando. Suas quadras e trovas são realmente muito bem escritas e agora você faz parte da constelação de poetas de cordel pois, insteligente como é, já assumiu em definitivo as sextilhas, setilhas e décimas que tanto agradam ao nosso povo. Abraço, meu amigo!

    ResponderExcluir