quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

RETALHOS DE AGRESTE




Nos anos 70, meu pai, menino nascido e criado no Engenho Barra do Dia, Palmares, Mata Sul de Pernambuco, aposentou-se e alugou uma fazendola em Sairé, para voltar a sentir o cheiro da terra, criar galinhas, alguns animais e curtir seu merecido descanso.  Por esse tempo eu tinha comprado uma camera Super 8 mm e entrado na onda do famoso "Ciclo do Super 8" do Recife (e do Brasil).  Então, nos fins de semana que passava em Sairé, Gravatá e Bezerros, passei a fazer alguns "takes" enfocando a vida do sertanejo/agrestino.  Assim nesta, como em outras oportunidades, cometi alguns "documentários" que apresentei em vários Festivais de Cinema Amador (Sergipe, Bahia, Petrolina, Recife). Em um deles, obtive duas indicações o que me valeu um pequeno troféu e um orgulho muito grande de ter dado o meu recado no telão.  Em outra oportunidade, participei como jurado no Festival do Recife, indicado por um dos órgãos participantes, a Sudene. Trago aqui em vídeo, essa cópia de um curta bem artesanal (o possível, para essa época de tecnologia rudimentar e preços de primeiro mundo, num país de terceiro).  Posteriormente, sonorizei o texto que me inspirou o roteiro desse "curta" com pretensões de documento.  Curtam.

11 comentários:

  1. Estimado Fred, uma delícia. Como era boa a época do 8mm, bem mais poético que esses digitais, filminho de 4min, muito legal.
    Abração e Feliz 2012

    ResponderExcluir
  2. MEu caro amigo MaJor. Que prazer, nesse finalzinho de ano ter mais uma vez aqui a sua presença. Uma presença importante, de um intelectual da Música e do Jazz, o que muito me honra, sempre. Aceite meus votos de um Ano Novo muito feliz, junto aos seus e que venham mais momentos gostosos para relembrar nos anos que virão. Paz, Saúde e Alegria !!

    ResponderExcluir
  3. Fred, que bacana! Gostei do curta e acho que você deveria re-editá-lo, dar um trato (pois hoje a tecnologia oferece mil recursos) e colocar o som e o texto. Você tem tudo para fazê-lo, escreve, compoe, toca e certamente tem todos esses recursos. Como dizem por aqui, tá com a faca e o queijo nas mãos. Manda bala! Esse despretencioso curtinha pode virar um tremendo curtão. Eu já estou curtindo ;)

    ResponderExcluir
  4. Meu querido amigo Augusto ! Isso é o que eu chamo de entusiasmo.. Você agora me fez sentir um Rosselini, homem ! Bem que eu tenho vontade de reescrever/reeditar muita coisa antiga..Esse aí, por exemplo, tem 42 longos anos, uma vida, já. Eu até pretendo escrever alguma coisa sobre essa minha terrível mania de catar imagens e sons pela vida afora, sem muita preocupação estética. Vou na base da emoção pura, arrancando toco pelo caminho e dando o recado como posso..Mas muito obrigado pela sugestão. Se Deus me der mais um tempinho por aqui, bem que poderia fazer isso aí mesmo.. Um Ano Novo Musical e Muito Feliz pra vc, meu irmão !

    ResponderExcluir
  5. Fred,
    Seus bons amigos deram boa conta desse "curta" que bate com a realidade, já retratada em várias mídias; algumas das quais você usou nesse seu percurso romântico e sentimental. Por meio dessas, o Sertão, mais do que o Agreste, continua sendo um espaço cujas dificuldades vão sendo mais bem enfrentadas, à medida que o tempo passa. Ali, você viu e mostrou, ainda que sem ser específico, a biodiversidade farta, que tem muitos frutos a oferecer às gerações mais novas e as que ainda estão por chegar.
    É essa diversidade, uma espécie de "cola verde", que vai sendo conhecida, para permitir o aproveitamento das possibilidades por conquistar. Todavia, ainda é preciso aguardar os resultados das pesquisas em curso, para que as possibilidades sejam mais bem aproveitadas. Há que trabalhar, esperando, como forma de tornar o ambiente mais bem preservado, conservado e utilizado.
    Um ano Iluminado, pra você e todos os seus. São os meus votos e os de sua prima Ana Maria. Abraços, OC

    ResponderExcluir
  6. Grande Otamar ! Você, Agrônomo consciente e amante dessa terra nordestina, observou detalhes que também me passaram despercebidos, eu que só buscava a beleza agreste dessas flores simples e teimosas, principalmente a do mandacarú, obelisco por Deus plantado no Nordeste querido e tão sofrido, ainda. Vamos ver se nos próximos 42 anos essa paisagem muda de uma vez e o nosso povo, enfim, possa ser feliz e ter a fartura com que tanto sonha e merece, graças a cientistas como você, meu cunhado Mário e seu filho (meu sobrinho Mário) que continuam na batalha para tanto.

    ResponderExcluir
  7. O que é um homem sem lembranças...Esse sertão tem cheiro forte cores vivas,mas tem a flor do mandacaru que representa a sensibilidade a delicadeza da alma desse sertanejo que luta, trazendo na sobrevivência a esencia da vida. Muitos beijos e todo meu respeito pelo seu trabalho que tanto nos orgulha. Leninha

    ResponderExcluir
  8. Caríssimo Fred,
    Pra começar a música deu vontade de dançar.
    Você sempre nos brindando com muita sabedoria, mostrando como ninguém esse Nordeste vigoroso, apesar da seca, o seu povo segura firme e segue altivo.
    A D O R E I o filme !
    Preciso arrumar mais tempo pra vir mais vezes aqui.
    A música está no DNA daqueles que sabem ser felizes.
    Receba os meus sinceros votos de um Novo Ano pleno de Saúde, com Paz , Harmonia e 2012 oportunidades de Novas Conquistas.
    Grande abraço meu Amigo

    ResponderExcluir
  9. Myrinha e Leninha, vocês são sempre generosas com este cronista velho. Lembranças são o melhor do que resta no balanço da vida, pois amarguras e ressentimentos a gente esquece e deixa pelo caminho. Por isso somos felizes, por isso valorizamos essas pequenas coisas que, de retalho em retalho nos dão abrigo e consolo. Beijo fraternal... Feliz Ano Novo!

    ResponderExcluir
  10. Tô com o Toque!:*
    Tati

    ResponderExcluir
  11. Pois é, Tati.. Quem sabe o FStudio Audio e Video se tansforma somente em FStudio Videoproduções né?
    Aquela câmera pro, mais outras duas que eu já tenho, dois iluminadores, minha sócia que quer fazer animações com table-top, etc.. A gente desenrola, sócia!

    ResponderExcluir