sábado, 30 de março de 2013

DALU E CEMINHA


Praça de Casa Forte - foto do autor
Quem não é de Casa Forte, pode não saber de quem estou falando.
Mas, quem for daqui e não conhecer, nem de ouvir falar, essas duas grandes mestras, da Escola Padre Donino, ou é muito novo, ou então chegou agora.
Elas foram responsáveis, durante uma vida inteira dedicada à Educação, com E maiúsculo mesmo, pela formação de uma legião de crianças e jovens que hoje ocupam posições de destaque  na sociedade pernambucana.
Idalina Costa Lima e Iracema Costa Lima, ou Dona Dalu e Dona Ceminha, foram estrelas raras num universo de idéias pálidas, nesse campo.
O amor que elas tinham pelo ensino era intenso.
Pelos alunos, também... sabiam ouvir e aconselhar cada um de nós, como segundas-mães afetuosas e ternas, porém firmes e rigorosas, no momento necessário.
Ceminha era a criatura mais doce que alguém pode imaginar.
E assim continuou por toda a vida, até encantar-se aos mais de 90 anos.
Há até bem pouco tempo, eu ficava muito feliz de vê-la cruzar com seus passinhos curtos, mas firmes, a calçada da velha Praça de Casa Forte.
Sempre que a via, parava para conversar com ela beijando, respeitosamente, a sua testa larga, enrugada de tanto amor.
Eu mesmo sou testemunha tanto do carinho de ambas, quanto dos puxavantes de orelha (mais do que merecidos que recebi) -nunca de Ceminha- mas de Dalu.
Também ela, que gostava demais de Matemática, insistia pra que eu estudasse e pelo menos procurasse gostar da matéria, que sempre me causou repúdio.
Eu ainda não consegui entender os números até hoje... sou um fracasso nessa área.
Certa vez, num 7 de Setembro, acho que de 1954, eu já na 4a. série primária fui "convidado como voluntário" a participar de uma cena de teatro escolar,  que Dalu dirigia,para integrar o quadro do Grito da Independência. Fui, mas fui muito amuado.
Achei muito infantil aquele negócio de um monte de meninos montados em cabos de vassoura com uma cabeça de cavalo pintada e recortada numa cartolina azul claro; chapéu de cartolina branca na cabeça, um laço de fita crepe azul no braço esquerdo, que teria que ser rasgado dramaticamente quando "Dom Pedro I", gritasse "Independência ou Morte".
E mais (essa era a pior parte para mim, que assistia, nos seriados do cinema Luan às lutas dos melhores espadachins do mundo): uma ridícula espada feita de um cone muito fino e comprido de papel do jornal Diário da Noite.
Mas, minha vingança foi total !
Com uma cara de meter medo, desafiando a História do Brasil, fui o único soldado a não romper os laços com a Coroa Portuguesa, recusando-me a rasgar a fita crepe do braço esquerdo e a levantar aquela espada fuleira de papel de jornal.
Salvei minha fama de valente espadachim, mas levei um puxavante de orelhas de Dalú. Mais um deles...pena que tenha sido o último. Terminei o Curso Primário, fui para o Ginásio São Luís.   Depois a Universidade, a vida e o tempo tomaram conta do resto. 

(do meu livro de crônicas "Caçador de Lagartixas", Recife, ed. Livro Rápido, 2008)

8 comentários:

  1. Fosse pelo menos montado num jumento, a coisa seria outra... Vosmecê ainda num foi desarnado, viu?

    Dom Capeta

    ResponderExcluir
  2. Buenas, Fred: Riquinhas de D.Dalu e D.Ceminha, mas a encenação do Grito era, mesmo para crianças, doida demais; diria até avacalhante. Tua resistência em romper os laços com Portugal, mesmo sujeito às penalidadees, demonstra o senso crítico que já estava em ti instalado.Imagino-te um soldado respondendo por crime de desobediência.Foi teu rito de passagem para sair do conformismo. Parabéns!
    maria-maria

    ResponderExcluir
  3. Realmente, Maria-Maria, nunca deixei de ser meio insubordinado por um lado e bastante enquadrado por outro. O equilíbrio veio com a idade mesmo... Dom Capeta, amuntado num jumento naquela hora, eu fazia um escarcéu, visse? MAs com espada de papel de jornal num dava mermo, meu camarada! hahaha

    ResponderExcluir
  4. Alô, bom dia, ô como vai você?

    Um olhar bem amigo, um claro sorriso, um aberto de mão!

    Vai dizer que no teu tempo não cantava essa musiquinha antes de entrar na sala de aula?

    Eu cantava essa e outras mais.

    Ontem eu estava lembrando com as meninas exatamente essas delicadezas do tempo em que éramos alunas de dona Ceminha, saia pregueada de suspensório, meião e sapato conga, blusa branca com o escudo da escola, as listinhas bordadas embaixo do mesmo representavam a turma a que você pertencia, estudei lá até a quinta série, voltei como professora trabalhei por lá uns sete anos, as tradições eram as mesmas, vi meus alunos perfilados em direção a sala do piano onde era colocado um crucifixo e todos um a um iam beijar os pé de Cristo na Semana Santa igualzinho quando éramos pequenos, o Mês de Maio rezado na sala da 4ª série...

    Tempos bons aqueles!!!

    ResponderExcluir
  5. Não tenho certeza, mas eu acho que a anônima aí em cima é Dudis ! Esqueceste de assinar ? Ceminha e Dalu foram minhas primeiras professoras em Casa Forte, porque eu cheguei da Torre com 7 anos e tinha estudado 2 anos no Grupo Escolar Martins Júnior, mais um ano antes no Jardim da Infância do Instituto Santo Elói, em Olinda. Esqueci o nome da professora de lá. Mas de Ceminha e Dalu jamais esquecerei. E da Escola Padre Donino, naquele casarão antigo da Praça. Depois é que fizeram a Escola nova, do outro lado, onde vc ensinou. Bjos, mana !

    ResponderExcluir
  6. Amigo Fred, que bela homenagem!
    Felizes aqueles que puderam contar com bons orientadores na sua formação!
    Isto faz toda a diferença, né nao?
    Abraço fraterno,
    Ligia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ora se faz, Lígia. DEmais ! Dalu e Cweminha foram dois anjos para me aturarem.

      Excluir
  7. Você é Fred que estudou do Padre Donino em Casa Forte, meu amigo de infância? Sendo ou estou contando histórias minhas desse tempo essa é uma (meu nome é Ancerg, mas naquele tempo era "Evaristo" https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10201934947490407

    ResponderExcluir